Crescimento dos movimentos sufragistas

Em meados do século XIX, as mulheres passaram a ter grande participação em movimentos sociais que não estavam diretamente ligados à reivindicação de seus direitos, mas descobriram que possuíam um papel limitado tanto no âmbito social quanto no âmbito político. As mulheres passaram então, a se opor ao status que lhe era imposto, com isso, algumas mulheres perceberam que para serem consideradas como reformadoras sociais deveriam, em primeira instância, adquirir direitos legais. Assim, em 1848, aconteceu o primeiro encontro dedicado aos direitos das mulheres tendo como principal objetivo a conquista do direito ao voto feminino, a Convenção de Seneca Falls, que ocorreu em Nova York, foi organizada por Lucretia Mott e Elizabeth Cady Staton.

No ano de 1869, as sufragistas, Susan B. Anthony e Elizabeth Staton, fundaram a Associação Nacional para o Sufrágio das Mulheres (NWSA) e iniciaram uma campanha para que se criasse uma emenda constitucional permitindo o sufrágio universal nos Estados Unidos, para além dos direito ao voto, as reivindicações também abordavam outros direitos, como mudanças nas leis matrimoniais que garantissem, por exemplo, o direito ao divórcio às mulheres, e discriminação salarial. Nesta mesma época, a Associação Americana para o Sufrágio da Mulher (AWSA) foi fundada pelas sufragistas: Lucy Stone, Julia Ward Howe e Josephine Ruffin, a instituição tinha um caráter menos radical, para se concentrar na conquista do sufrágio para os homens negros e sobre o direito das mulheres de votar estado por estado. Percebeu-se, então, que as duas organizações seriam mais eficazes se juntasse em um grupo, então formaram a National American Women Sufrage Association (NAWSA) em 1890, com Stanton como presidente e Anthony como vice-presidente.[1]

No início do século 20, a NAWSA se reestruturou e mudou suas táticas, realizando muitos desfiles e manifestações para chamar a atenção para a causa. Em 1914, Alice Paul e Lucy Burns ficaram insatisfeitas com a liderança e direção da NWSA e formaram a União do Congresso.A União do Congresso inicialmente se concentrou em pressionar o Partido Democrata, que controlava as casas do Congresso e a Casa Branca. Em 1916, a organização foi renomeada como a National Woman’s Party (NWP) e iniciou uma campanha mais militante para o sufrágio. Porém somente no ano de 1920 que as mulheres obtiveram a sua vitória, quando a 19° Emenda concedeu a votação às mulheres americanas.[2]

Na Grã-Bretanha, essa causa foi influenciada por um filósofo ao fazer um pedido ao Parlamento que incluísse o direito de voto feminino em sua Reforma. Nesse mesmo ano, aconteceu a fundação do primeiro comitê do sufrágio feminino, que incentivou a criação de vários outros comitês, com a intenção de lutar contra os valores e preconceitos tradicionais. Somente no ano de 1918 foi que mulheres acima de 30 anos ganharam o sufrágio feminino. O voto universal só foi alcançado 10 anos depois.

A Nova Zelândia (1893) e a Finlândia (1906) foram os primeiros a reconhecer o sufrágio feminino. No século XX, países como Noruega (1913), Dinamarca e Islândia (1915) concederam às mulheres o voto. No Canadá, as mulheres ganharam o voto em Alberta, Manitoba e Saskatchewan em 1916; após o sufrágio federal ter sido alcançado em 1918, as outras províncias seguiram o exemplo, sendo o último em Quebec em 1940. Entre os países latino-americanos, o sufrágio feminino nacional foi concedido em 1929 no Equador, 1932 no Brasil, 1939 em El Salvador, 1942 na República Dominicana República, 1945 na Guatemala e 1946 na Argentina. Na maioria desses países, os movimentos que ocorreram no Estados Unidos tiveram uma grande influência para a conquista do voto feminino.

[1]“In 1869, as suffragettes, Susan B. Anthony and Elizabeth Staton, they formed a National Woman Suffrage Association (NWSA) and a campaign for a constitutional amendment to universal suffrage in America and other women’s rights, such as changes in divorce laws and end of employment and wage discrimination. This season, as suffragettes Lucy Stone, Julia Ward Howe and Josephine Ruffin formed a less radical American Women Suffrage Association (AWSA) to focus on obtaining suffrage for black men and women’s right to vote for state. It was then realized that as two organizations would be most effective if they joined a group, they then formed a National Sufrage Women’s Association (NAWSA) in 1890, with Stanton as president and Anthony as vice president” (tradução nossa).

[2]“In the early 20th century, the NAWSA restructured and changed its tactics, conducting many parades and demonstrations to draw attention to the cause. In 1914, Alice Paul and Lucy Burns were dissatisfied with the leadership and direction of the NWSA and formed the Union of Congress. The Union of Congress initially focused on pushing the Democratic Party, which controlled the houses of Congress and the White House. In 1916, the organization was renamed the National Woman’s Party (NWP) and began a more militant campaign for suffrage. But it was only in the year 1920 that women won their victory, when the 19th Amendment granted the vote to American women” (tradução nossa).

REFERÊNCIAS

WOMEN’S SUFFRAGE MOVEMENT. HistoryNet.com. Disponível em: <http://www.historynet.com/womens-suffrage-movement&gt;. Acesso em 22 de setembro de 2017.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s