A epidemia do Ebola e as principais rotas de imigração na África Ocidental

          A imigração é o ato de entrar em um país diferente do país de origem e viver nele, mesmo que seja por um período de tempo. Com o surto de Ebola, que ocorreu em 2014, os países que fazem fronteira com a África Ocidental ficaram receosos com a entrada de imigrantes em seu território, visto que era difícil saber quem havia contraído a doença. Como mencionado no post anterior, a doença pelo vírus Ebola (DVE), não possui sintomas bastante precisos, sendo assim, semelhantes a algumas síndromes febris – como a malária, febre tifoide e meningite.

          A epidemia causada pela DVE, tornou-se uma preocupação mundial dado aumento do fluxo migratório onde a doença passou a ser encontrada em outros Estados da África. O vírus foi detectado em março de 2014 em Guiné e desde então o vírus foi se alastrando por Serra Leoa, descendo para a Libéria, chegando à Nigéria. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 31 de dezembro de 2014, a Libéria é o país com maior número de mortes (3.423), por conseguinte Guiné (1.708), Serra Leoa (2.758) e a Nigéria (8).

          A OMS temia que houvesse uma “propagação internacional” do vírus, onde mais da metade dos infectados morreram, por conta disso a OMS enviou vários especialistas para conter a epidemia. Embora a OMS temia a propagação do vírus, ela não fez restrições a voos nem orientou o fechamento de fronteiras por causa da epidemia, contudo essa tornou-se uma postura preventiva de algumas empresas, como a Emirates e a British Airways que suspenderam seus voos para os principais países que ocorreram os maiores surtos da doença e o fechamento das fronteiras terrestres, como no caso da Libéria.

          Posteriormente, o vírus foi diagnosticado na República do Congo, onde a OMS declarou algumas mortes registradas nesse território, contudo a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) informou que não há nenhuma relação com a epidemia na África Ocidental, embora essa relação seja possível e não deva ser descartada. O Ministério da saúde da República do Congo, em um comunicado, mencionou que o país deve enfrentar um surto do vírus Ebola que “constitui uma crise de saúde pública de importância internacional”.

        Como uma resposta ao surto de Ebola, os MSF enviaram médicos, enfermeiros e especialistas em logística para a República do Congo, com o intuito de combater a doença. Os pacientes com suspeita do vírus Ebola são isolados e posteriormente são rastreados aqueles que tiveram contato com os mesmos, com o intuito de evitar uma propagação desenfreada do vírus. A OMS enviou especialistas à região com o intuito de conter o surto em curso na região de Likati.

          Em 2017 novos diagnósticos do vírus Ebola foram constatados na República do Congo, a agência da ONU observou ainda que a extensão total do surto de 2017 ainda não está totalmente precisa, onde em 8 casos foram diagnosticados e 3 mortes relatadas, contudo esse número pode ser maior pois será feita investigações mais aprofundadas e avaliações de risco. A Rede Mundial de Alerta e Resposta a Surtos (GOARN), foi ativada a fim de fornecer suporte adicional, caso assim seja preciso. E encontra-se em andamento o reforço da vigilância epidemiológica, do rastreamento de contatos, gerenciamento de casos e engajamento da comunidade. O surto de ebola entre 2013 – 2015 provocou a morte de cerca de 11,3 mil pessoas na África Ocidental, onde os países mais afastados foram a Guiné, a Serra Leoa e a Libéria.

 

 

REFERÊNCIAS

ONUBR. OMS Envia Equipe Técnica Para Conter Novo Surto De Ebola Na República Democrática Do Congo. 2017. Disponível em: < https://nacoesunidas.org/oms-envia-equipe-tecnica-para-conter-novo-surto-de-ebola-na-republica-democratica-do-congo/>. Acesso em: 11 de agosto de 2017.

G1. Entenda a epidemia de Ebola na África. 2014. Disponível em: <http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2014/08/entenda-epidemia-de-ebola-na-africa.html>. Acesso em: 10 de agosto de 2017.

MSF. Epidemia de Ebola confirmada na República Democrática do Congo: MSF envia especialistas e material ao epicentro do surto. 2014. Disponível em: < http://www.msf.org.br/noticias/epidemia-de-ebola-confirmada-na-republica-democratica-do-congo-msf-envia-especialistas-e>. Acesso em: 11 de agosto de 2017.

WHO. Ebola response roadmap situation report. 2014. Disponível em: < http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/146763/1/roadmapsitrep_31Dec14_eng.pdf?ua=1>. Acesso em: 10 de agosto de 2017.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s